Dicas de estudo

Caros colegas. Falar sobre dicas e métodos de estudo é uma coisa simples, que deve ser descomplicada e desmistificada por aqueles que estão estudando para concursos. A uma, porque não há um método regra; a duas, porque ficar dando prioridade para a frase “como vou estudar?” não te leva a lugar algum, mas tão somente à perda de tempo.

Conheço pessoas que, acho que por insegurança, a cada mês trocam o método de estudo, e aí começam do zero, de modo que nunca terminam a matéria. Só estão craques em princípios, pois é tudo o que viram até hoje, várias vezes rsrs…

O que foi postado aqui é a regra geral do método de estudo. Mais abaixo, vocês encontrarão posts somente sobre métodos de estudo, conforme forem surgindo as postagens.

Índice

  1. CONCURSO É EM 3D: DISCIPLINA, DEDICAÇÃO E DETERMINAÇÃO! 
  2. REGRA BÁSICA: TEORIA, EXERCÍCIO E REVISÃO.
  3. ORGANIZAÇÃO
  4. QUANTAS MATÉRIAS ESTUDAR
  5. QUANTAS HORAS ESTUDAR POR DIA
  6. COMO REVISAR? FAZER RESUMO OU GRIFAR?
  7. MATERIAL: VÍDEO, RESUMOS, SINOPSES, PDFs, DOUTRINAS?

 

CONCURSO É EM 3D: DISCIPLINA, DEDICAÇÃO E DETERMINAÇÃO!

Amigos, querer prestar concurso transcende a barreira do “querer”. Deve-se querer, saber querer, e fazer com que o seu querer saia do plano subjetivo e passe ao plano objetivo: atitude. O concurso exige abdicação, exige do estudante saber dizer não para muitas coisas. Exige a utilização de algumas horas do seu dia, diariamente, que poderiam  ser utilizadas com coisas mais legais do que estar sentado em uma cadeira lendo livros, leis, informativos, resolvendo exercícios. Para isso, você deve ter em mente uma coisa: essa vida de estudos tem um fim. Ou você faz bem feito, para alcançar seus objetivos e colocar um fim, ou você decide que não quer isso para sua vida e vá para iniciativa privada.

Se decidir entrar no mundo dos estudos, faça de coração, com vontade, sem pestanejar. Dedique-se, tenha disciplina, seja determinado! Durante suas horas de estudo não pense no que você poderia estar fazendo, não pense nos seus amigos em festas. Pense nos seus planos, na sua família, nos seus sonhos e objetivos.

Estabeleça uma rotina. Estude sempre no mesmo horário. Não ignore seus familiares e amigos, separe um tempo para eles. É necessário um equilíbrio. Concurso é um projeto a longo prazo. Magistratura, Procurador da República, Promotorias, exige-se, no mínimo, dois, três anos de estudos. É a regra que eu vejo por aí. Então, ao iniciar esse projeto, vá de corpo e alma. Não lamurie-se. Tenha prazer no processo: aprender e progredir, no final, se bem feito, haverá um bom resultado.

Passemos ao procedimento.

 

REGRA BÁSICA: TEORIA, EXERCÍCIO E REVISÃO.

Deve-se ter em mente que: (i) não existe método de estudo infalível, que irá te levar a aprovação; (ii) o melhor método de estudo é aquele que você senta, estuda teoria, faz exercícios e revisa. Isso é unanimidade entre os aprovados e os que estudam para concursos:

1º – Deve-se aprender a matéria, a teoria, ter conhecimento sobre o assunto, para depois partir para os exercícios. Aqui inclui doutrina, lei e informativos.

2º – Deve-se fazer muitos exercícios. Eu diria que, para concursos como tribunais e MPU, o estudo deve ser 50% teoria e 50% exercícios.

3º – Deve-se ter uma maneira de revisar, seja ela por seus resumos/cadernos, seja ela por leitura de grifos, seja ela por resolução de exercícios. Não existe uma regra, todas podem ser eficientes.

 

ORGANIZAÇÃO

Acho importante ter organização com seu estudo. Eu sou um cara sistemático com organização de estudo, mas há um motivo. Estou estudando para concursos que possuem 16 matérias, como vou saber o que estudei no último dia se eu não anoto? Aí há aqueles que leem novamente várias páginas e dá aquela sensação: eu já li isso. Logo, deve-se ter uma agenda, um diário, algo que você anote onde você começou e parou. Eu tenho um arquivo word que eu anoto tudo isso, desde quando comecei estudar em 2016. Vou disponibilizar para vocês um pedaço dele, bastando CLICAR AQUI para baixar.

Ainda, julgo de extrema importância que, ao fazer suas provas, vocês coloquem os erros e acertos no papel, separados por matéria, de modo que você perceba seu desempenho nas matérias a serem estudadas. Fazendo isso você consegue direcionar seus estudos para seus pontos que precisam de mais atenção. Eu, por exemplo, sempre que faço uma prova (simulados), abro o excel e anoto meu desempenho nas matérias. Vou disponibilizar para vocês um exemplo, bastando CLICAR AQUI para baixar.

 

QUANTAS MATÉRIAS ESTUDAR

Quantas matérias estudar por dia? Estudar uma matéria até esgotar ou estudar várias matérias ao mesmo tempo? É outro imbróglio. Prezados, novamente vos digo: NÃO HÁ UM MÉTODO CORRETO. Entretanto, eu tenho uma preferência e tenho a minha lógica. Meu tio, que hoje é Juiz Federal, dizia para mim que gosta de estudar uma matéria por vez. É o jeito dele, e deu certo.

Entretanto, contra sensu, eu não acho que seria o melhor jeito. Veja: uma doutrina tem 1000 páginas. Li ela em janeiro. Pode ser que eu não absorva, com eficácia, uma leitura integral de um livro, e esqueça, a curto prazo ,o conteúdo lido quando eu precisar utilizar ela em dezembro. “Mas Diovane, é só revisar”. É algo difícil revisar uma matéria inteira durante os estudos de outras matérias, pois temos que dar atenção a elas também. Nosso cérebro é falível, nós esquecemos as coisas. Esse mesmo tio, uma vez me disse: “Se nosso cérebro esquece 5 regras ao dia, para sermos sucedidos temos que aprender 10 regras ao dia, pois assim você sempre estará progredindo”.

Agora vejam. Se eu estudar umas 8 matérias ao mesmo tempo, meu cérebro terá contato com mais conteúdos em um determinado espaço de tempo, o que gera mais probabilidades de acertos em variadas questões quando eu fizer uma prova. Portanto, reitero. Não é a regra, mas o método que eu acho melhor. Se teu edital tem 16 matérias, como o meu, divida ele por 2  e estude 8 matérias de uma vez. Várias pessoas que hoje são Procuradores da República e Juízes, que já tive oportunidade de conversar, faziam ciclos, assim como eu.

Em suma, divida seu edital em duas partes e estude primeiro uma metade (ciclo 1) e, após, a outra metade (ciclo 2). Feito isso e terminado de estudar os dois ciclos, você poderá optar em “girar” (estudar) a totalidade de matérias do edital, ou voltar revisando no ciclo 1, e depois ir para o ciclo 2, e assim por diante. Caso acabe alguma matéria do ciclo 1, quando estiver em seu estudo regular, coloque uma do ciclo 2 e vá em frente, não pare! Este é o meu método e tem dado certo.

Para concurso de Tribunais, acho plenamente possível estudar todas as matérias do edital de uma vez, visto que são poucas.

Vou disponibilizar para vocês meu esquema de estudos aqui. CLIQUE AQUI para baixar.

 

QUANTAS HORAS ESTUDAR POR DIA

Aí vem a questão das horas por dia. Pessoal, depende da disponibilidade de cada um. Entretanto, um ideal é de no mínimo 3 horas. Conheço um Juiz Federal que disse: “Eu estudava três horas todos os dias, era o suficiente”. Já meu tio, como dito ali em cima, disse que estudava quatro horas por dia, aumentando apenas em épocas de prova oral.

Eu acho que cada matéria deve ser estudada por 1h30 ou 2h, para manter uma continuidade. Eu tenho de 4 a 5 horas disponíveis para os estudos. Estudo duas matérias ao dia e faço questões, intercalando estas com informativos, revisão do meu caderno de anotações e leitura de lei. Então, faço assim:

  • 1h Leio minhas rodadas de questões (aqui eu indico EMAGIS, plano de rodada de questões objetiva de área federal)
  • 1h30 Matéria
  • 1h30 Matéria
  • 1h Revisão (questões por revisaço, lei, informativo, caderno de anotações). Nestes, eu intercalo diariamente. Cada dia faço uma coisa.

É o que eu posso estudar. Às vezes não faço exercício no dia, pois não acordo cedo o suficiente. Meu trabalho é das 12 às 19. Estudo de manhã, em uma sala de estudos em Sinop/MT, chamada Concentra, anexa ao LFG de Sinop/MT. Então, tudo é feito com muito esforço. De noite eu tiro o tempo para minha família.

Há pessoas que possuem disponibilidade de estudar mais, portanto, estudam dois períodos. Já, penso que estudar três períodos pode trazer frustração. O estudo para cargos elevados é um projeto a longo prazo, de modo que o estudo deve estar na sua rotina como sendo algo prazeroso. Seu cérebro e você precisam de um descanso mental. Comece aos poucos e vá aumentando conforme sentir que é possível e necessário.  Um trabalhador braçal chega em casa no final do dia, come e descansa. Resultado: no dia seguinte estão prontos para outra. Já o cansaço mental pode não ser da mesma maneira, nós podemos ficar tempos cansados e não absorver nada do que lemos. Portanto, não vá além daquilo que seu corpo e mente pode suportar. A regra geral são quatro horas e julgo que até 8 é suficiente. Em fases orais e outros, excepcionalmente, é possível dar uma esticada.

Após fazer meu planejamento e meu ciclo, ficou assim:

Planejamento:

  • 1h de questões de todas as matérias (EMAGIS, Qc, qualquer coisa que faça exercícios)
  • 1h30 para Magistratura Federal (teoria)
  • 1h30 para Magistratura Federal (teoria)
  • 1h REVISÃO e pendências, (Lei seca, caderno, revisaço, dizer o direito, questões)

 Ciclo

  • Econômico, Civil, Internacional, Processo Penal, Financeiro, Penal, Processo Civil
  • Constitucional, Previdenciário, Consumidor, Empresarial, Administrativo, Ambiental.

Depois de terminar cada ciclo, estude todas de uma vez, caso sinta segurança.

Nesse método aí, que adotei, tem me dado ótimos resultados em simulados. Da PGF – Procurador Federal, de 150 à 170 acertos estilo certo/errado, e de 60 à 68 acertos pra Magistratura Federal (lembrando que, até o presente momento, janeiro de 2018, tenho 7 meses de “formado”). Agora é treino, tempo e lapidação. Estudar para concursos é diariamente, assim como tomar banho. Você toma banho todos os dias porque se suja todos os dias. Você deve estudar todos os dias porque seu cérebro esquece coisas todos os dias. É todos os dias. Eu ainda tenho muito o que melhorar, e é assim que vai ser. Devagarinho. A leitura lenta e atenta é absorvida, aprendida, com maior fixação.

ATENÇÃO: Percebam que eu coloquei ali em cima lei e informativo. O candidato deve estar atento às mudanças jurisprudenciais, às inovações legislativas, ao texto constitucional. Isto posto, tenha em mente que é crucial e obrigatório a leitura dos informativos do STF e STJ. O site Dizer o Direito é ótimo para isso. Para quem tiver condições, recomendo o Buscador Dizer o Direito, que é um banco de dados separado por matéria e assunto, do próprio Márcio Cavalcante. De outro lado, não se deve deixar de ler as leis principais, como CF, CC, CPC, CP, CPP, lei de improbidade, algumas partes em licitações e outras leis relevantes. Reserve um dia da semana ou um horário do seu dia de estudo para isso. Ainda, façam muitas questões, muitos simulados! Somente assim você irá conseguir medir seu rendimento, ver onde precisa melhorar, ver o que fazer e, além disso, é um método de fixação e revisão do que foi visto. Não faça exercício apenas daquilo que você estudou no dia, faça daquilo que você já estudou em outras épocas, de modo a forçar a lembrar das coisas já vistas. Se você seguir meus horários, ali em cima, creio que já será o suficiente!

 

COMO REVISAR? FAZER RESUMO OU GRIFAR?

Resposta totalmente pessoal. Galera, fazer resumo pode ser demorado, porém, se você ler ele, será ótimo. Se resumir um livro de mil páginas em cem páginas, você lerá um livro de mil páginas em um dia. Eu tenho alguns resumos feitos por mim. São ótimos. Mas hoje não estou mais fazendo, estou adotando a técnica do grifo nas doutrinas. Mas veja, grifos com qualidade. Meus amigos brincam comigo porque tenho um vade mecum antigo que é todo rabiscado, e com razão. Não se deve grifar tudo, pois não te servirá para nada. “Então, como fazer?” Grifar o essencial de cada página, de modo que, no dia que você for estudar a matéria novamente, você reveja os últimos pontos só passando o olho nos grifos e lendo suas anotações feitas nos livros (essa é a minha técnica de revisão). “Ah Diovane, você sempre revisa antes da matéria então?” Não, nem sempre. Eu reviso quando vejo que não estou recordando, quando estou errando questões, etc.” O negócio é SENTAR E ESTUDAR, sem “paranóia” com método de estudo! Para mim tem servido. Não existe uma regra, faça aquilo que você se sinta melhor. Resumo demora, porém é ótimo para fixação, entretanto, hoje, eu prefiro grifar e ler os grifos posteriormente, tão somente quando sentir necessidade, pois o tempo está escasso para fazer resumos.

Obs: não obstante eu disse ali que eu não faço resumo, como regra, atualmente estou fazendo para alimentar o site, e tem sido ótimo o resultado, feitos no computador.

BIZU BACANA: há um material que eu faço, que é caderno de anotações. Aqui, não se trata de um resumo. Se trata de um apanhado de frases e textos oriundos de erros de questões, de jurisprudências, pequenas frases sobre determinado assunto para revisão. Fiz no word, contempla todas as matérias e tem sido um excelente material de revisão. Separei por matéria e assunto, e aí vou revisando. Vou postar um pedaço para vocês, basta CLICAR AQUI para baixar. Observação importante: este caderno pode conter vários erros gramaticais, pois eu estudo com ele aberto e vou anotando, portanto, ignorem.

 

MATERIAL: VÍDEO, RESUMOS, SINOPSES, PDFs, DOUTRINAS?

Pessoal. Aqui, primeiramente, deve ser feita uma análise com seriedade e ser respondida a seguinte pergunta: “Qual é a minha meta?”. Isto porque, cada material, possui sua profundidade de conteúdo, de modo que pode ser suficiente para um tipo de concurso e insuficiente para outro. Ou conteúdo demais e desnecessário para determinado concurso, de modo que só te prejudique.

Eu já estudei por cursinhos do tipo Estratégia e Ponto, e vejo que hoje não estão suprindo mais minhas necessidades. Entretanto, para o concurso do TRF3, supriu. Tenho um amigo que passou em primeiro lugar para Oficial de Justiça no TRF1 tão somente com questões desses tipos de PDFs. Logo, para concursos de tribunais, sinopses, cursos em PDF, são suficientes.

Feito isso, agora eu tenho outro foco: magistratura federal e concursos da AGU. Passei a adotar leitura doutrina + rodadas de questões comentadas em meus estudos, de modo que eu adquira um conhecimento mais aprofundado sobre o assunto, a entender o motivo das coisas, em virtude do cargo que eu almejo.  Para rodadas de questões, recomendo fortemente o EMAGIS e o Curso CEI.

Portanto, para a escolha do material, deve-se estabelecer um foco. A partir desse foco, que é a escolha pelo seu concurso e congêneres, você irá escolher o método mais adequado ao seu estudo. Não é eficiente que se estude doutrinas para concursos de técnicos e analistas. Não estou dizendo que você não vai passar estudando assim. Estou dizendo que há meios abreviados para tais tipos de concursos, como PDFs, sinopses e outros.

Para Tribunais e MPU, acho que sinopses, resumos e PDFs, somados à resolução de questões, é o suficiente. Para cargos fins, como AGU, Procurador da República e Magistratura Federal, é importante ter uma base jurídica. Uma boa base jurídica pode ser adquirida com cursinhos PDF ou videoaulas, do Ênfase, CERS, LFG. “Mas Diovane, videoaula é bom?” Quem vai responder isso é você! Eduardo Gonçalves, Procurador da República, diz em seu blog que um curso de videoaula bem feito substitui perfeitamente a leitura de doutrina. Então, você deve optar. Eu, em particular, gosto de livros, e tem sido efetivo para mim.

Assim, meus amigos, reitero: não há uma maneira de estudar. Há só “ESTUDAR”. Escolha seu foco, um método correto para seu foco, e vá em frente. Se você optou por um curso de videoaulas, como Ênfase, CERS, LFG e outros do mercado, continue. Não desperdice seu dinheiro, pois são ótimos cursos. Se optou por cursos PDF, como Estratégia, MEGE, Ponto dos Concursos, Ciclos R3, OuseSaber, e demais cursos, continue, são ótimos cursos! O importante é você começar e continuar seu projeto e saber que cada tipo de curso e material tem sua profundida voltada para algo.

A única coisa que vocês precisam saber é que devem estudar, e não parar de estudar até atingir o seu objetivo. Estudar para carreira fim é algo a longo prazo, é devagar. Seus acertos irão surgir. Quando você chega a um nível de 90% em provas de técnico e analista e de 65%% a 75% em provas de carreira fim, é necessário ter paciência, pois sua hora está próxima. Estudar é uma função exponencial. Você vai melhorando (50%), melhorando (55%), melhorando (60%), melhorando (65%), até que chega em um ponto que estudar um ano todo pode te gerar só mais 3, 4, 5 acertos questões, de modo que você estabiliza, conforme o gráfico abaixo:

Tempo de estudo x acertos/rendimento

Se você continuar, sem esmorecer, sua aprovação chegará. Em suma: sente, estude a teoria, faça exercícios e revise.

Espero que eu possa ter ajudado. Quaisquer dúvidas, basta entrar em contato conosco pelo campo em branco no rodapé da página.

Leiam nossas indicações bibliográficas.

Conheça nosso projeto #costurandoatoga! CLIQUE AQUI para acessar a página. Nosso projeto gratuito de disponibilização de apostilas de qualidade para o estudo dos concursos da Magistratura Federal.

Atenção: Se você deseja receber todas as nossas novas apostilas e atualizações, cadastre-se logo abaixo. Nós respeitamos você e não enviamos nenhum spam, mas tão somente atualizações com os materiais!

Diovane Franco Rodrigues

 Instagram: @diovanefranco